21 de abril de 2017

Tiradentes - Em Busca da Tradição Inventada




A partir de 1870, a maçonaria elege Tiradentes como seu símbolo maior e reivindica a organização do levante dos inconfidentes.


A história é continuamente reescrita. À medida que a realidade presente muda, as interpretações acerca de um fato passado também são alteradas, buscando respostas que correspondam melhor às necessidades do tempo atual. Foi assim com a Inconfidência Mineira (1789). Poucos momentos foram tão debatidos, reescritos e apropriados quanto esse.


Durante boa parte do século XIX, a Inconfidência não assumiu lugar de destaque na historiografia brasileira. Tal situação modificou-se apenas na segunda metade do século, quando o princípio da nacionalidade tornou-se uma questão premente a ser resolvida. Urgia ao Brasil a construção de laços de pertencimento capazes de criar um sentimento nacionalista, e era fundamental encontrar os elementos fundadores da nação, construindo uma identidade que pudesse particularizá-la. Com o golpe militar que inaugurou a República em 1889, essas necessidades foram reforçadas. O regime instaurado de cima para baixo estava longe de apresentar-se como uma demanda da população em geral. Assim, era preciso legitimá-lo perante o povo, apresentando- o não como um elemento estranho à sociedade, mas sim como um desejo histórico presente havia muito tempo.





No monumento à civilização mineira, Tiradentes na forca. Praça da 
Estação Ferroviária, Belo Horizonte

A solução para essas questões passava pela criação de um mito fundador que estabelecesse uma idéia de continuidade entre o fato presente e o passado brasileiro. Era necessário criar uma tradição republicana para a nação por meio de heróis que já tivessem ansiado pela implantação desse regime. Nessa ocasião, a Inconfidência Mineira e Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, assumiram com propriedade o papel de precursores da República.

A escolha de Tiradentes como herói nacional não é difícil de ser explicada. Com a publicação da obra de Joaquim Norberto de Souza e Silva,História da Conjuração Mineira (1873), que ressaltava o fervor religioso do personagem nos últimos momentos de sua vida, inúmeras representações simbólicas tornaram-se possíveis, aproximando-o à figura de Cristo. Outro fator importante para essa opção foi que o movimento não aconteceu efetivamente, o que poupou os inconfidentes do derramamento de sangue e os manteve imaculados. Eles foram apenas vítimas da violência, nunca agentes.


A Inconfidência como objeto passível de ser novamente apropriado permitiu à historiografia refazer as linhas gerais do levante sempre que a conjuntura política brasileira teve necessidade de reavivar o sentimento nacional. Seu legado simbólico foi retomado de tempos em tempos, mais especificamente nos momentos de rupturas históricas no decorrer do século XX. Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek e até mesmo os militares de 1964, auto-intitulados “os novos inconfidentes”, apropriaram-se do fato histórico em favor de seus interesses políticos. Sob novas roupagens, o mito repetia-se incessantemente.


Contudo, não foram apenas os governos que utilizaram a influência do movimento e de seu herói. Muitas instituições também procuraram um “lugar ao sol” nessa festa de apropriações simbólicas. Foi o caso da maçonaria, que tomou Tiradentes como seu símbolo maior no Brasil ainda no século XIX. A partir de 1870, ocorreu um crescimento acelerado do número de lojas maçônicas no país e muitas delas foram batizadas de “Tiradentes”. 


Freqüentemente, suas bibliotecas tinham o inconfidente por patrono e até mesmo os jornais maçônicos carregavam seu nome. Já no século XX, Tiradentes pareceu ganhar em definitivo um lugar de destaque no panteão maçônico, tornando-se patrono da Academia Maçônica de Letras.


Mas por que esse mineiro poderia representar a maçonaria? Que legitimidade haveria nisso? “Simples”, responderiam os historiadores ligados a essa organização: Tiradentes teria sido maçom, e a Inconfidência Mineira, uma conspiração maçônica em prol da libertação nacional!







Antônio da Silva Parreiras (1860-1937), Jornada dos mártires, óleo sobre tela (200 cm x 365 cm), 
MUSEU MARIANO PROCÓPIO, JUIZ DE FORA (MG)


Muitos maçons, historiadores ou não, aventuraram-se a escrever sobre o episódio para desvendar sua “verdadeira” história e demonstrar o papel crucial da maçonaria na definição dos acontecimentos de 1789. Em geral, essas narrativas começam demonstrando que a Inconfidência não foi um episódio regional. Tal movimento teria feito parte de um projeto internacional elaborado para tornar livres todos os povos oprimidos. A Inconfidência, a Revolução Francesa e a Independência dos Estados Unidos seriam expressões de um mesmo fenômeno: o do anseio revolucionário por independência, democracia e liberdade que sacudiu a Europa e a América por meio das atividades maçônicas.



Desse modo, o sentimento nativista (ver glossário) não seria suficiente para explicar os anseios dos inconfidentes pela República. Acreditar apenas nisso, segundo os escritores da maçonaria, seria “ingenuidade e romantismo”. Os conspiradores mineiros agiriam inspirados não só pela idéia de nação brasileira, mas, principalmente, pelos sentimentos de sua organização. “Mirando-se no exemplo vitorioso da revolução americana guiada por George Washington, Thomas Jefferson, etc., (...) os líderes inconfidentes questionaram o que a metrópole impunha como sendo inquestionável”, escreve o maçom Raymundo Vargas. Eles não teriam planejado uma revolta se não tivessem certeza de que os “irmãos” americanos prestariam auxílio ao restante do continente. O projeto também incluía a Europa, e a França foi o palco escolhido para os contatos que uniriam o Brasil “ao elo dessa corrente universal de liberdade”.



Gilbert Stuart, George Washington, 1795. 
O presidente americano teria inspirado Tiradentes


A narrativa maçônica apresenta-se confusa para aqueles que sabem que a instituição foi fundada no Brasil em 1801. A Inconfidência poderia caracterizar-se como um movimento maçônico se ainda não havia lojas no Brasil? De acordo com seus escritores, haveria, sim, centenas de maçons organizados em lojas, mas estas funcionavam clandestinamente, já que a ordem se encontrava proibida pela legislação portuguesa.



O relato que inaugurou a crença em uma Inconfidência de caráter maçônico partiu de Joaquim Felício dos Santos, que, curiosamente, não era maçom. Em sua obra Memórias do distrito diamantino da comarca do Serro Frio (1924), ele escreve que a “Inconfidência de Minas tinha sido dirigida pela maçonaria, Tiradentes e quase todos os conjurados eram pedreiros-livres”. Com base nessa passagem, estudiosos, maçons ou não, começaram a associar automaticamente a Inconfidência à maçonaria. Surgiu a crença de que Tiradentes, que ia muito à Bahia para refazer o sortimento de mercadorias de seu negócio, acabou, numa de suas viagens, tornando-se maçom. Ele seria o responsável pela criação de uma loja maçônica, local onde os conjurados teriam sido iniciados na organização, “introduzida por Tiradentes quando por aqui passava vindo da Bahia para Vila Rica”, escreve Tenório D’Albuquerque.


Prova maior da importância do triângulo como símbolo maçônico teria se dado no momento da execução de Tiradentes, quando o maçom e capitão Luiz Benedito de Castro não distribuiu as tropas em círculo como de costume, e sim formou um triângulo humano em torno do patíbulo. A multidão “não poderia compreender o significado simbólico daquele triângulo, mas Tiradentes, no centro dele, compreendia aquela última e singela homenagem”, descreve Raymundo Vargas.



Finalmente, as narrativas maçônicas encontram explicação também para um instigante mistério: o sumiço da cabeça de Tiradentes. A urna funerária contendo a cabeça do herói da Inconfidência teria sido retirada secretamente às altas horas da noite pelos irmãos maçons remanescentes do movimento. O roubo da cabeça seria, segundo Raymundo Vargas, uma das primeiras afrontas da maçonaria às autoridades repressoras portuguesas, mostrando-lhes que “a luta só começava”. Segundo autores maçons, não teria sido por acaso que, no mesmo local onde a cabeça de Tiradentes fora exposta, o então presidente da província mineira e grão-mestre da maçonaria brasileira em 1874 Joaquim Saldanha Marinho, em 3 de abril de 1867 ergueu uma coluna de pedra em memória do mártir maçom.



Vários outros aspectos da Inconfidência foram trabalhados pelos autores ligados à organização, tais como a personalidade maçônica do Visconde de Barbacena ou as “irrefutáveis” provas da viagem de Tiradentes à Europa para fazer contato com seus irmãos da ordem. Percebe-se que a maçonaria, por meio de seus intelectuais, construiu uma série de argumentos para não deixar dúvida quanto ao papel de destaque dessa instituição no desenrolar de todos os fatos da Conjuração. Recentemente, surgiram alguns trabalhos elaborados por historiadores maçons mais criteriosos que refutam muitas das teses aqui apresentadas. Contudo, estes ainda não foram suficientes para derrubar do imaginário maçônico a figura do herói mineiro.





.

De fato, existem vestígios de que maçons passaram pelas Minas setecentistas. Analisando os processos inquisitoriais luso-brasileiros de fins do século XVIII e início do XIX, encontram-se denúncias contra mineiros de Vila Rica e do Tijuco, acusados de libertinos, heréticos e maçons. Sabe-se também que muitos estudantes brasileiros em Coimbra e Montpellier iniciaram-se na maçonaria européia e trouxeram seus valores e idéias para o Brasil. Alguns deles, como José Álvares Maciel e Domingos Vidal, ajudaram nos planos dos inconfidentes.



Para além da discussão da veracidade ou não desses relatos acerca da Inconfidência, é interessante perceber de que maneira a elaboração de tal narrativa histórica favorece a instituição dos pedreiros livres. Em diversos momentos, a presença da maçonaria em território brasileiro foi questionada. Com a proclamação da República, por exemplo, a Igreja Católica perdeu o título de religião oficial do Estado e, para tentar reaver sua influência política, reforçou o combate à organização. O catolicismo oficial passou a apresentar a maçonaria como uma sociedade “estranha” à cultura brasileira, vinda de fora, representante do imperialismo e, logo, uma ameaça à soberania nacional. Mais tarde, com esses argumentos, Getúlio Vargas a colocaria na ilegalidade.


Diante de situações como essas, tornou-se fundamental para a maçonaria apresentar-se à sociedade brasileira como uma instituição que, ao contrário do que dizem seus opositores, mostra se presente há tempos em nosso território e em nossa cultura. Assim, a narrativa da Inconfidência como um movimento maçônico pode ser denominada de “‘tradição inventada”, expressão cunhada por Eric Hobsbawm que indica a criação de um passado com o qual se busca estabelecer uma continuidade. Construir por meio de uma historiografia uma tradição na qual os maçons teriam feito parte do momento fundador da nação brasileira é, sem dúvida, uma maneira de assegurar sua presença no Brasil. Ao associar a imagem de Tiradentes à sua, essa ordem passa a ser lembrada como a defensora dos nobres valores carregados pelo herói nacional. Mais do que uma forma de defesa, a apropriação maçônica da simbologia da Inconfidência lhe dá legitimidade perante a sociedade. Por ora, a estratégia teve êxito na medida em que a insurreição de 1789 e a atuação maçônica encontram-se, ainda hoje, intimamente associadas no imaginário popular.





A BANDEIRA MINEIRA

A origem da bandeira de Minas Gerais é mais uma prova, para os maçons, do envolvimento desta organização na Inconfidência. “Se ainda ao mais incrédulo dos incrédulos restasse um resquício de dúvida quanto à origem maçônica da Inconfidência Mineira, bastaria contemplar-lhe a bandeira”, afirma Tenório D’Albuquerque, em A bandeira maçônica dos inconfidentes. Utilizando como disfarce a idéia da Santíssima Trindade, o triângulo representaria, na verdade, a sagrada trindade da maçonaria: liberdade, igualdade e fraternidade. No interrogatório relatado nos autos da devassa, ao ser perguntado sobre o significado da bandeira, Tiradentes teria respondido “sagrada trindade” e não “santíssima”. Tal detalhe supostamente passou despercebido ao escrivão.



DISCORDÂNCIA ENTRE OS HISTORIADORES



A historiografia acadêmica encontra-se longe de um consenso acerca da participação ou não da maçonaria na Inconfidência. As hipóteses vão desde o papel central dos maçons na elaboração dos planos do levante até a negação total de sua influência na Conjuração.


Augusto de Lima Júnior ressalta o papel da maçonaria ao percebê-la como um importante elemento de ligação e comunicação dos inconfidentes com os grupos de apoio no Rio de Janeiro e na Europa. Em posição oposta está Lúcio José dos Santos, alegando que o fato de não haver nenhum vestígio da ação propriamente maçônica nos autos da devassa seria a maior prova da ausência dessa sociedade na Inconfidência. Também argumenta que, se a maçonaria possuísse prestígio suficiente a ponto de ser a idealizadora do movimento, ela teria tido forças para impedir a condenação de seus membros. Finalmente, a meio-termo entre as duas opiniões encontra-se Márcio Jardim, para quem a atuação maçônica teria sido importante, mas secundária: seu papel seria apenas o de aglutinar pessoas e idéias. O autor observa, ainda, como a maçonaria dos dias atuais se apropria da figura de Tiradentes, o que revelaria um desejo de mostrar poder acima do comum, causando lhe surpresa o fato de “boatos sobreviverem ao tempo e à evidência das provas contrárias”.


CURIOSIDADES DE TIRADENTES:


Seu nome completo era Joaquim José da Silva Xavier. Nasceu no ano de 1746, na Fazenda do Pombal, distrito de São João del Rey, em Minas Gerais. Porém, não há registro da data de seu nascimento, apenas do seu batismo, em novembro daquele mesmo ano.

  • Tiradentes tentou várias profissões: dentista, tropeiro, minerador e engenheiro. Entrou, então, para a Sexta Companhia de Dragões de Minas Gerais, como alferes, uma espécie de segundo-tenente.


  • Tiradentes está diretamente ligado ao movimento que ficou conhecido como "Inconfidência Mineira". Os historiadores preferem "Conjuração Mineira" já que o que aconteceu em Minas Gerais foi um ato organizado para conquistar a independência do país e não um ato de deslealdade, traição ou infidelidade, que servem para traduzir a palavra inconfidência.


  • Após o enforcamento, seu corpo foi esquartejado. As 4 partes foram postas em alforjes com salmoura, para serem exibidas no caminho entre Rio de Janeiro e Minas Gerais. A casa de Tiradentes em Vila Rica foi demolida, e o chão, salgado, para que nada brotasse naquele solo.


  • Foi no Rio de Janeiro que Tiradentes entrou em contato com as idéias revolucionárias iluministas. O que poucos sabem, é que ele também se dedicou a projetos de melhoria urbana do Rio. Idealizou abastecimento regular da cidade, construção de moinhos, trapiches, armazéns, além de serviços de barcas de transporte de passageiros.


  • Tiradentes é o único brasileiro cuja data de morte se comemora com um feriado nacional. É também o mais citado no Google, com mais de 2 milhões de páginas de referência no buscador.


  • Tiradentes não foi considerado um herói tão logo morreu e só passou a ser cultuado 98 anos após a sua morte. Como defendia idéias iluministas republicanas e antimonarquistas, durante o período imperial brasileiro, seu nome quase não era citado. 

  • "Pois seja feita a vontade de Deus. Mil vidas eu tivesse, mil vidas eu daria pela libertação da minha pátria", teria dito Tiradentes ao ouvir serenamente a sua sentença de morte.

Biografias:




Autores: 
Françoise Jean de Oliveira Souza
Doutoranda em história pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Autora da dissertação Vozes maçônicas na Província Mineira – 1869-1889, UFMG, 2004

15 de abril de 2017

Renascimento e Exemplos de Nosso Mestre - Páscoa Renovação de cada Ser:


Em química, Ele converteu a água em vinho; (João 2-1,11)


Em biologia, nasceu sem a concepção normal; (Mateus 1-18,25)


Em física, desmentiu a lei da gravidade, quando andou sobre as águas e  subiu aos céus; (Marcos 6-49,51)


Em economia, Ele refutou a lei da matemática ao alimentar 5000 pessoas com somente cinco pães e dois peixes; e ainda fazer sobrar 12 cestos cheios. (Mateus 14-17,21)


Em medicina, curou os enfermos e os cegos sem administrar nenhuma dose de medicamento. (Mateus 9-19,22 e João 9-1,15)


A história é contada antes DELE e depois DELE, Ele é o PRINCÍPIO e o FIM;
Ele foi chamado Maravilhoso, Conselheiro, o Príncipe da Paz, o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores; (Isaías 9-6)


Na bíblia diz que ninguém vem ao Pai senão por Ele; Ele é o único caminho; (João 14-6)


Então... Quem é Ele?
Ele é JESUS!!!


Os olhos que leem esta mensagem não temerão o mal.
A mão que enviar esta mensagem, não trabalhará em vão.


O maior homem da história: JESUS 💫


Ele não tinha servos, e no entanto O chamavam de Senhor💫


Não tinha nenhum grau de estudo, e no entanto O chamavam de Mestre💫


Não tinha medicamentos, mas era chamado de médico dos médicos💫


Ele não tinha exército, mas reis O temiam💫


Ele não ganhou batalhas militares, e no entanto, conquistou o mundo💫


Ele não cometeu nenhum delito, e no entanto foi crucificado💫


Foi enterrado em uma tumba, e no entanto, Ele vive💫


Me sinto honrado em servir a este líder que nos ama💫


Esta mensagem fará bem a outras pessoas... Evangelize!


A Fé vem pelo ouvir a palavra de Deus 🙏




Mensagem ES-PE-TA-CU-LAR !!💫

👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏

COMPARTILHE para todos os grupos que vc faz parte, leve a mensagem de Páscoa a Todas as Famílias.


TFA/PP
Ir Daniel Martina - (Pesquisa e Ilustração)

13 de abril de 2017

A LEI DA MÁGICA - VOCÊS PENSA E O UNIVERSO RETRIBUÍ:



A LEI DA MÁGICA: VOCÊ CRIA O EFEITO E A CAUSA APARECE.


Vou lhes dizer uma das leis mais profundas da vida. Vocês podem nem ter pensado a respeito disso de maneira nenhuma. Vocês ouviram – toda a ciência depende disso – que causa e efeito é a base. Você cria a causa e o efeito a segue. A vida é um elo causal. Você põe a semente no solo e ela brota. Se a causa está presente, então a árvore a seguirá. O fogo está lá: você coloca sua mão nele e irá se queimar. A causa está lá e o efeito a seguirá. Você toma veneno e morre. Você arranja a causa e assim o efeito seguirá.


Essa é uma das leis científicas mais básicas, que causa e efeito é o elo mais profundo de todos os processos da vida. A religião sabe a respeito de uma segunda lei que é ainda mais profunda do que essa. Mas a segunda lei que é mais profunda do que a primeira parecerá absurda se você não a conhece e não a experimenta.


A religião diz: produza o efeito e a causa seguirá. Isso é totalmente absurdo em termos científicos. A ciência afirma: se a causa estiver presente, o efeito a segue. A religião afirma que o inverso também é verdadeiro: você cria o efeito, e veja: a causa segue.


Numa situação na qual você fica feliz, se um amigo chegou, a amada chamou. A situação é a causa, a felicidade é o efeito. A chegada da amada é a causa. A religião diz: seja feliz e a amada vem. Crie o efeito e a causa o segue.


Essa é minha própria experiência, que a segunda lei é mais básica do que a primeira. Tenho feito isso e isso tem acontecido. Apenas seja feliz: a amada vem. Apenas seja feliz: os amigos estão presentes. Apenas seja feliz: tudo segue.


Jesus diz a mesma coisa com outras palavras: procure primeiro pelo reino de Deus, então tudo mais seguirá. Mas o reino de Deus é o final, o efeito. Procure primeiro o fim – o fim significa o efeito, o resultado – e a causa seguirá. É assim que deve ser.


Não apenas colocar uma semente no solo e a árvore segue; basta uma árvore e há milhões de sementes. Se a causa é seguida pelo efeito, o efeito é novamente seguido pela causa. Isso é uma cadeia! Desse modo se torna um círculo – comece de qualquer lugar, crie a causa ou crie o efeito.


Eu lhe digo, é mais fácil criar o efeito porque o efeito depende totalmente de você; a causa pode não ser tão dependente de você. Se você disser que só pode ser feliz quando certo amigo estiver presente, então isso depende de um certo amigo, se ele está presente ou não.


Se eu disser que não posso ser feliz até que consiga muita riqueza, então isso depende do mundo inteiro e da situação econômica e tudo mais. Isso pode não acontecer, e assim não posso ser feliz. Essa causa está além de mim. O efeito está dentro de mim. A causa está nas redondezas, nas situações – a causa está fora. O efeito sou eu! Se puder criar o efeito, a causa o seguirá.


Escolha a felicidade – isso significa que você está escolhendo o efeito – e então veja o que acontece. Escolha o êxtase e veja o que acontece. Escolha ser alegre e veja o que acontece. Toda sua vida mudará imediatamente e você verá milagres acontecendo ao seu redor. Porque agora você criou o efeito e as causas terão que seguir.


Isso irá parecer mágica; você até mesmo pode chamar isso “A Lei da Mágica”. A primeira é a lei da ciência e a segunda é a lei da mágica. Religião é mágica, e você pode ser o mágico. Isso é o que ensino a vocês: ser um mágico, conhecer o segredo da mágica.


Tentem! Vocês vêm tentando o outro por toda vida – não só nessa, porém em muitas outras vidas também. Agora me escutem! Tentem essa fórmula mágica, esse mantra que estou lhes dando. Criem o efeito e vejam o que acontece; causas imediatamente lhes rodeiam, elas seguem. Não esperem pelas causas; vocês já esperaram demais. Escolham a felicidade e vocês serão felizes.




Qual é o problema? Por que vocês não podem escolher? Porque vocês não podem trabalhar com essa lei? Devido às suas mentes, toda a mente, a qual tem sido treinada pelo pensamento científico, diz que se vocês não forem felizes e tentarem ser felizes, essa felicidade será artificial. Se vocês não estão felizes e vocês tentam ser felizes isso será somente representação, isso não será real. Isso é o que o pensamento científico diz, que isso não será real, vocês estarão apenas representando.


Mas você não sabe: a energia da vida tem suas próprias maneiras de funcionar. Se você puder agir totalmente isso se tornará o real. A única coisa é: o ator não pode estar presente. Mova-se totalmente nisso, então não há nenhuma diferença. Se você está agindo sem entusiasmo, isso permanecerá artificial.


Se lhe digo para dançar e cantar e para ficar alegre, e você tenta sem entusiasmo, só para ver o que acontece e você continua pensando: “Isso é apenas artificial. Estou tentando, mas isso não está vindo, isso não é espontâneo” – então isso permanecerá um fazer, uma perda de tempo.


Se você tentar, então tente entusiasticamente, de todo coração. Não fique para trás, penetre nisso, torne-se o fazer – dissolva o ator no agir e veja o que acontece. Tornar-se-á real e assim você sentirá que é espontâneo. Você não o fez; você então saberá que isso aconteceu. Contudo, a menos que você seja total, isso não pode acontecer. Produza o efeito, esteja completamente nele, e veja e observe os resultados.


Existe um antigo ditado: “Ria e o mundo ri com você; chore e você chora sozinho.” Até mesmo as árvores, as pedras, a areia, as nuvens. Se você puder criar o efeito e ser extático, todos eles irão dançar com você; assim toda a existência se torna uma dança, uma celebração.


Mas isso depende de você, se você puder criar o efeito. E digo a você, você pode criá-lo. É a coisa mais fácil possível. Parece muito difícil porque você ainda não tentou. Tente!


TFA/PP
Ir Daniel Martina
(Pesquisa e Elaboração)



.´.

7 de abril de 2017

2017: COMEÇA A NOVA HISTÓRIA DA TERRA.




2017: COMEÇA A NOVA HISTÓRIA DA TERRA.
Por Sonia L. Pereira


A melhor forma para explicar as energias de 2017 não está em nenhum lugar ou leitura conhecida pela humanidade. Depois da transição planetária de 21/12/2012, quando entramos na Era de Aquário, passamos por um longo período de quarentena de quatro anos até 21/12/2016.

Essa quarentena foi necessária para calibração do planeta e do corpo humano para fins de se alinharem as oitavas acima na ascensão planetária. A própria Gaia, a alma da Terra, pediu para haver esse período de adaptação para que fosse possível mais humanos despertarem e começassem a expandir as suas consciências.

A partir de 2017 vamos começar realmente a ver materialmente a diferença na Terra das oitavas acima na elevação planetária. A Terra está ascendendo, ao mesmo tempo a terceira dimensão está desmoronando cada vez mais, bem como tudo o que conhecemos como matéria também está se transformando, inclusive a natureza está se adaptando às novas oitavas.

Tudo isso são fatos naturais que precisam ocorrer, bem como o corpo humano também está se transformando, independente da compreensão da mente e de tudo o que racionalmente conhecemos. Poderão haver acontecimentos dramáticos, tanto em escala da natureza como na humanidade que não estiver centrada no coração e que está apegada a antigos conceitos que já estão ficando ultrapassados.

Na história conhecida da humanidade, nos livros, nas culturas, nos cultos, nas crenças; sejam elas das mais antigas conhecidas, delas apenas pode se aproveitar quando algumas se referem a Geometria Sagrada.

Não existe caminho pronto para percorrer, ninguém encarnado no planeta tem consciência para saber plenamente como seguir o caminho das oitavas acima, apenas existem aqueles que estão desbravando o caminho e estão sinalizando à frente para quem vem depois. Também não há como prever o futuro porque ninguém que viveu na Terra passou por uma transição planetária encarnado. Isso é algo único que as almas encarnadas na Terra estão experimentando. Da mesma forma, todas as profecias existentes antes de 2012 não estão valendo mais porque elas foram feitas para a terceira dimensional, portanto, perderam seus efeitos e não vão mais acontecer.

Profecias estas como a destruição da Terra por guerras ou como o grande temor por causa do planeta Nibiru, planetas anões vermelhos, amarelos, etc. também perderam a validade. Nibiru não trará nenhum malefício à Terra, mesmo porque ele possui a missão de ser um planeta semente e é o semeador de toda a Galáxia.

O que existe ainda são apenas sinais gravados em rochas que foram mal interpretados do que já foi um dia esse planeta. Não temos ideia do que fomos um dia e do que seremos daqui para frente.



Como bem diz Judith Kusel:

“… Nós literalmente não podemos ver a maior parte do espectro de cores cósmicas, e a capacidade auditiva de nossos ouvidos estão fechados consideravelmente desde a queda da Atlântida… para que você possa ganhar em compreensão, que estamos agora retornando a nossas verdadeiras origens, que são galácticas, e não vinculada a planetária !… Você agora vai ser conectado em vastos campos de energia e redes de energia, que são a forma mais poderosa do que qualquer coisa que você pode imaginar.” (Kryon tambem já falou diversas vezes sobre isso).


De todas as leituras que fiz até agora, a única que me levou até mais próximo do que estamos experimentando no caminho da ascensão é o Calendário Maya.

O Calendário Maya é um legado deixado pela mais antiga de todas as civilizações Mayas que existiram e que possui uma milimétrica explicação sobre a leitura da alma. Sim, muita coisa que vemos nas ruínas Maya não chegam nem de perto a sua cultura original porque a primeira civilização Maya não viveu nesta dimensão da 3D.

Com o Calendário Maya podemos saber a missão da alma, quais os aspectos e experiências com as quais viemos vivenciar no planeta, quais as qualidades de alma precisamos desenvolver nesta vida, os motivos pelos quais nascemos e convivemos com as pessoas e com a nossa família.

Com o Calendário Maya podemos também fazer a previsão do futuro de acordo com a harmonia do Universo, por conseguinte, da natureza. Não existe nada nem ninguém que não esteja matematicamente encaixado no seu lugar certo.

Prediz que realmente nada acontece por acaso e tudo e todos estão interligados e conectados a tudo e a todos. E não existe nada nele do que conhecemos em nossa cultura. E é nele que me baseio para falar de 2017.

Na verdade o ano de 2017, segundo Calendário Maya, começará em julho de 2017. Nesse sentido e pelas leis da natureza ainda estamos no meio de 2016.

No dia 26/07/2016 do ano gregoriano, o calendário que a nossa sociedade ainda se orienta, foi que se iniciou o ano de 2016 pelo Calendário Maya, que findará em 24/07/2017. Estamos no ano da Onda Encantada da Tormenta.

Sob o aspecto das energias da quinta dimensional este é um ano de transformações para que as nossas vidas e a do planeta se alinhem às oitavas acima que é onde estamos neste momento. Quer dizer que tudo vai acontecer para o alinhamento e calibração necessários.

Como estamos em zona de livre arbítrio e ainda sentindo a polaridade, a terceira dimensional a qual estamos saindo está fazendo pressão contrária tentando sobreviver, mas para esta qualquer intento será naturalmente destruído e não terá validade.

Isso vale para atos, ações da humanidade que não está ascendendo e que tentará de tudo pela simples questão de sobrevivência. Por isso, aqueles que estão sendo avisados e já estão conscientes do seu despertar deverão permanecer no centro do seu coração, caso contrário, sofrerá junto com a 3D desmoronando.

Todo cuidado é pouco, no caminhar, nas viagens, nas programações de qualquer coisa, nos relacionamentos, no trabalho, em casa, com a família, em tudo, inclusive nas decisões tomadas.

Nos próximos 6 meses até julho de 2017 procure ficar mais em casa e evite ver notícias; bem como tomar partido de algo, seja na política ou em discussões ou em agressões físicas e verbais.

As certezas podem se tornar dúvidas. O que você toma como certo pode estar errado e o errado pode estar certo. Se você tiver derrotas, essas derrotas podem ser vitórias, e vice-versa.

Tenha em mente que a terceira dimensional está em processo de pleno enlouquecimento, uma vez que não há mais lugar para ela no planeta. Por isso, deixe qualquer coisa fluir. Se jogue no rio das altas energias dimensionais, leve uma boia e deixa a correnteza levar você. Não tente chegar às bordas do rio, fique sempre bem no meio do rio.

Deixe fluir porque esse é o melhor caminho.

Sobre o processo em que estamos passando no planeta os Índios Hopi bem definiram dizendo que:

“Não há qualquer coisa a ser feita, se jogue no rio e se deixe levar pela correnteza das altas energias. Fique sempre bem no meio do rio, não queira se segurar em nada, nem fique perto das bordas do rio”.

*****

“A Tormenta, segundo o Calendário Maya, traz com ela um período de grandes e profundas mudanças, em que você poderá se sentir mais acelerado, devido a um grande aumento de energia interna.

Questões profundas poderão aflorar para serem trabalhadas e, nesse momento, poderá surgir certa tensão interna, então, procure energizar o seu Plexo, e também o faça com os outros chakras (coloque suas mãos, uma sobre a outra, na área de cada chakra, por alguns segundos), para manter o equilíbrio energético.

Esse também é um bom período para fazer mudanças em algum projeto, algumas atitudes e em si mesmo, mas lembre-se de manter sua calma e paz interior, mesmo quando acelerado, procure respirar profundamente e se manter conectado ao seu centro, para não perder o controle das coisas.

Procure seguir sua intuição, a qual estará forte, potencialize seus sonhos, seus projetos, dê poder a eles, traçando estratégias de ação, pois a abundância também estará potencializada.

Mas, lembre-se de que quando se fala em abundância, está se referindo ao aumento de qualquer coisa, por isso, mantenha sua harmonia interna para atrair a energia suficiente para dar impulso aos seus sonhos para que se tornem realidade.

O que quer que você faça que seja feito com um profundo conhecimento. Jamais dê um passo sem analisar todas as perspectivas e possibilidades.

Saiba o que realmente você quer, curando o que está em desarmonia, sempre sendo guiado por sua intuição. Aprenda a olhar por todos os ângulos para ter uma visão sem ilusões. Tente não fantasiar as situações.

Veja sempre o que realmente está a sua frente e assim tudo flui com mais naturalidade, sem a famosa rigidez, pois ela faz parte de uma visão unilateral, que leva a perder a magia de se viver cada momento, os seus sonhos e projetos, com decisão, certeza e aumento da energia que impulsiona a realização.” – Calendário da Paz e Encantamento do Sonho 3ª edição – José e Lloydine Arguelles.

Entramos em 07/04/2017 do Calendário Gregoriano, com a Onda Encantada do Espelho, onda que está em sincronicidade com a da tormenta. Como estamos coletivamente usando o Calendário Gregoriano, a Onda do Espelho estará agindo em sincronicidade com a Onda da Tormenta neste ano.

O Espelho traz a oportunidade para deixar emergir seu Ser mais cristalino, longe das ilusões e de uma imagem fictícia de você mesmo.

“Durante este período, serão expressos os sentidos da palavra Refletir, assim, Reflita em tudo o que fizer, com calma e ordem; reflita a sua própria luz interior, sem ofuscação; reflita a sabedoria da sua mente e lembre-se que você também reflete o outro, se tornando um espelho também. Então, se mantenha “em ordem”. Ordene tanto os seus pensamentos como as suas ações.

Procure sempre manter a calma, pois ela reflete a sua paz interior. Se tudo parecer confuso, pare, tome uma inalação profunda e ao exalar pense: “tudo está bem, tranqüilo e em ordem comigo, pois sou o reflexo da Luz Universal que banha o meu ambiente com a paz”.

Converse com você mesmo. Experimente fazer isso se olhando no espelho. Não se sinta distante ou separado de sua própria divindade, porque você é tão somente você mesmo e isso quer dizer: LUZ! .

Procure se expressar da forma mais clara quanto possível, permitindo que o outro também se expresse. Evite concentrar a conversação apenas em seus pontos de vista. Saber escutar é uma forma de falar e de dizer que você respeita, também, o outro, tanto quanto você.

Saiba perdoar e transmutar toda e qualquer situação negativa, porém se a negatividade for insuportável, se afaste do ambiente. Desapegue-se.

Procure fazer mudanças em sua vida começando a desapegar-se de velhas situações, de velhos padrões, de velhos pensamentos. O novo clama por luz e como duas coisas não ocupam o mesmo lugar no espaço, você deve se desapegar do que não faz mais sentido para você e, só assim, a luz do novo pode brilhar.

Às vezes costuma-se permanecer em uma situação sem sentido, por medo de mudar. Solte, deixe ir.

Lembre-se: O planeta está passando por uma grande transmutação, onde o desapego é a ordem do dia. Só assim, pode-se dar um salto dimensional junto com o planeta e cabe a você ajudar a iluminar o planeta através do seu grande amor universal.

"Seja leal ao amor que você sente por si mesmo e que esse amor reflita o Grande Amor Universal projetado através de toda a galáxia para a expansão da paz que tanto precisamos em nosso planeta.” – In Lake’ch (eu sou o outro você).




No ano de 2017, segundo a Astrologia, será regido por Vênus (ACREDITO SER O ANO DE SATURNO E NÃO DE VÊNUS) que representa o Amor, por isso e sincronicamente as energias elevadas o Amor Incondicional deverá ser o melhor caminho para todas as situações e soluções.

Também se inicia em 2017 o ciclo de 36 anos do caminho da estrela de Saturno. Estamos saindo dos últimos 36 anos do Sol, que se iniciou em 1980, quando até aqui ficamos influenciados pelo egocentrismo, pela vaidade, em sobressair mais que o outro, em mostrar o brilho próprio.

A partir de agora, até os próximos 36 anos, Saturno regerá. Ao contrário do que se pensa, Saturno convida a ir para dentro, a introjeção, a busca pelo o eu interior. A partir de agora, as pessoas irão buscar o seu bem estar interior, seus dons, o se sentir melhor.

Alguns receiam a Saturno porque relacionam ao sofrimento, mas na verdade ele traz a limpeza de karmas passados para atravessar os portais da alma.

Sim, não é um caminho fácil seguir para dentro em busca da própria alma, da sua verdade do ser. Este ano Saturno combina com o Espelho e com a Tormenta até o meio do ano, por isso esse é um momento único para elevar a consciência.

O caminho da Quinta Dimensão é um trajeto de muita responsabilidade. Quanto mais nos elevamos nas dimensões, mais responsabilidade e verdade devemos ter e ser. O caminho da ascensão requer, antes de tudo, maturidade e Saturno traz esse sentido para a vida em termos que aprender a viver na Quinta Dimensional.

Estamos ascendendo, a tendência da vida na Terra daqui para frente é diminuir cada vez mais as polaridades, não havendo mais ganhadores e perdedores. Assim, receberemos em troca tudo aquilo que pensamos e fazemos da mesma forma que emitimos.

O simples pensamento e o sentimento individual colocado nele influência no coletivo, desta forma, algo que acontece do outro lado do mundo teve seu começo na energia do sentimento colocado no pensamento, na força do pensamento, que quanto mais co-criado coletivamente, quanto mais pessoas emitirem o mesmo pensamento unido ao sentimento, essa energia emitida vai se materializar em algum lugar e também nas nossas vidas.

A tendência é unificar as semelhanças e diminuir as diferenças. Vamos começar a aprender que quando colocamos o sentimento de Amor em nossas atitudes tudo na vida se transforma e ao nosso redor. Vamos realmente aprender que somos nós mesmos que materializamos tudo e todas as ações no planeta.

Quanto à materialização, isso é fato real, tudo o que desejamos está se materializando mais instantaneamente. Isso acontece pelo motivo de que nas oitavas acima da ascensão, e quanto mais caminhamos nas dimensões acima, tudo se materializa mais instantaneamente.

Assim, se alguém deseja o mal a alguém ou faz o mal a alguém, prejudicando, passando por cima para ganhar algum proveito, se usar de esperteza, de “manha”, de manipulação, humilhar a alguém, querer ser melhor do que o outro, menosprezar qualquer forma de existência, tudo isso está retornando quase que instantaneamente para quem intentou tudo isso.

Por quê ? Porque as novas energias das oitavas elevadas fazem retornar rapidamente para a fonte que a emitiu. Daí podemos ampliar esse raciocínio para todas as nossas ações e para as ações das pessoas. Ou seja, se a pessoa emite baixa energia, isso vai voltar diretamente para ela - e rápido.

A tendência da humanidade é aprender uma nova forma de viver nas oitavas dimensionais elevadas. Não será tarefa fácil. Esse fato é real e não depende da vontade ou da disposição de ninguém.

Estamos realmente sendo jogados de encontro às dimensionais superiores e teremos que aprender a viver nessa nova forma de viver na Terra, caso contrário, não poderemos mais viver aqui.

Estamos começando um totalmente novo tempo onde nada do que conhecemos servirá mais. A Terra agora é um lugar totalmente novo para viver, algo que a nossa humanidade nunca viveu ou ouviu falar.

O único jeito de viver no planeta é seguir para dentro, encontrar o Portal Sagrado do Coração, redescobrir a alma além da mente racional e condicionada.

O ano da Tormenta unida com o Espelho, juntando ainda o caminho da estrela de Saturno para os próximos 36 anos, e ainda sincronizando com o início da Nova Era, todos juntos chegam no momento certo que permite a expansão da consciência cada vez mais, possibilitando a humanidade a retornar a sua forma mais ampla e a capacidade real de ser.

Para todos será um ano de grandes aprendizados.

Segundo a profecia dos Índios Hopi sobre os tempos que estamos vivendo : “A Terra, suas criaturas, e todas as formas de vida que conhecemos serão modificadas para sempre” e que “A cada pequeno ser será dada a oportunidade de mudar, da maior à menor das criaturas”.

A profecia diz que “O caminho a percorrer durante estes tempos deve ser procurado em nossos corações eb no reencontro com seu ‘ser’   espiritual”.

Estamos vivendo momentos únicos!


TFA/PP