11 de novembro de 2018

O Significado Oculto de Annuit Coeptis Novus Ordo Seclorum:


Annuit cœptis, (no Anglo Latim é pronunciado / ˈænjuːɪt ˈsɛptɨs /), é um dos dois lemas, (sendo o outro Novus ordo seclorum), no verso do Grande Selo dos Estados Unidos. Tomadas a partir da expressão latina annuo (aprovar) e cœpta (começar, empreender), sugerindo a tradução "Ele aprova (ou tem aprovado) o [nosso] empreendimento", embora não seja a tradução oficial.

Em 1789, o Congresso nomeou um artista em desenho, Willian Barton, de Filadélfia, para trazer uma proposta para o selo nacional.[1] Para o reverso, Barton sugeriu uma pirâmide de treze camadas abaixo do Olho da Providência. O lema que Barton escolheu para acompanhar o desenho era Deo Favente Perennis, "Perenne (eterno) pela graça de Deus".

Desenho de Willian Barton, com o título "Deo Favente Perennis".
Barton explicou o lema referente ao Olho da Providência: "Deo favente que alude o Olho nos braços (ao redor), voltados para o Olho da Providência."[2] Para Barton, God (Deus) e o Olho da Providência são a mesma entidade.

À luz de fato, de que o tema "13" foi incluído em ambos os lados do selo[carece de fontes], um mês mais tarde, Charles Thomson corrigiu o lema de Barton com uma frase de 13 letras. O lema da parte da frente do selo (E pluribus unum) já tinha 13 letras. Thomson sugeriu uma frase que era sinônimo de Deo favente mas com treze letras: Annuit Coeptis.[carece de fontes]

Quando Charles Thomson tornou como oficial a sua explicação sobre o significado do lema, ele escreveu: "O Olho sobre ela [a pirâmide], e o lema Annuit Cœptis alude as muitas interposições e sinais da providência em favor da causa americana."[3]

Assim, tanto o lema e o Olho da Providência, faz alusão à mesma realidade. O Olho da Providência, era comumente entendido como um símbolo de Deus e o destino.

Assim, Annuit Cœptis é traduzido pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos, pelo United States Mint[4] e pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos.[5] como "Ele (Deus) tem favorecido nossos compromissos" (entre parênteses no original).[6]

Annuit cœptis e os outros lemas no verso do Grande Selo, Novus ordo seclorum, ambos tem sua origem nas linhas pelo poeta romano Virgílio. Annuit cœptis, provém do Eneida, do livro IX, linha 869, que se lê, Iuppiter omnipotens, audacibus adnue cœptis. É uma oração por ascanius, filho do herói da história, Eneias, que se traduz como "Poderoso Júpiter, favorecem [meu] ousados empreedimentos." De acordo com a antiga religião estatal de Roma, apropriadamente chamada de deorum cultus romanum, Júpiter foi chefe do panteão de deuses.

TFA
Ir Daniel Martina CIM 285520
Fundador da Filhos do Arquiteto Brasil 




O Rico Trabalho do Aprendiz Maçom:



O TRABALHO DO APRENDIZ

O Aprendiz, após a sua Iniciação, não tem apenas de se integrar na Loja. Essa integração, se bem que necessária, é apenas instrumental da sua actividade maçónica.

O Aprendiz, logo na sua Iniciação e imediatamente após a mesma, é confrontado com uma panóplia de símbolos variada, complexa e de grande quantidade. Uma das vertentes importantes do método maçónico é o estudo e conhecimento dos símbolos, o esforço da compreensão e apreensão do seu significado.

Aprender a lidar com a linguagem simbólica, a determinar os significados representados pelos inúmeros símbolos com que a Maçonaria trabalha é, sem dúvida, uma vertente importante dos esforços que são pedidos ao Aprendiz. 

É uma vertente tão mais importante quanto ninguém deve "ensinar" o significado de qualquer símbolo ao Aprendiz. Quando muito, cada um pode informá-lo do significado que ele dá a um determinado símbolo. Mas nunca poderá legitimamente dizer ao Aprendiz que esse é o significado correcto, que esse é o significado que o Aprendiz deve adoptar. 

O Aprendiz pode adoptar o significado que o seu interlocutor lhe transmitiu ser a sua interpretação, mas apenas se concordar com ele. Se atribuir acriticamente a um símbolo um significado apenas porque alguém lhe disse entendê-lo assim, está a agir preguiçosamente, não está a trilhar bem o seu caminho.

Não quer isto dizer que o Aprendiz não deva, não possa, atribuir a determinado símbolo o mesmo específico significado que outro ou outros lhe atribuem. Aliás, diversos símbolos são generalizadamente vistos da mesma maneira pela generalidade dos maçons. Mas cada um deve meditar sobre o símbolo, procurar entender o que significa, por ele próprio. 

Pode - não há mal nenhum nisso! - ouvir a opinião de outros, aperceber-se que significado ou significados outros lhe dão. Ao fazê-lo, está a beneficiar do trabalho anteriormente realizado por seus Irmãos e é também para isso que serve a Maçonaria, é também essa a riqueza do método maçónico. 

Mas deve, é imperioso que o faça, analisar, reflectir sobre o que lhe é dito, verificar se concorda ou discorda, em quê, em que medida e porquê. e então extrair ele próprio a sua conclusão e adoptá-la como a que entende correcta. 

Pode ser igual à dos seus Irmãos; pode ser semelhante, mas levemente diferente; ou pode ser muito ou completamente diferente. Não importa! Ninguém lhe dirá, ninguém lhe pode legitimamente dizer, que está errado. É a sua interpretação, a que resultou do seu trabalho, da sua análise, é a interpretação correcta para ele. E tanto basta! E se porventura mais tarde, com nova análise, com os mesmos ou outros ou mais elementos, vier a modificar a sua interpretação, tudo bem também! Isso corresponde a evolução do seu pensamento, que ninguém tem o direito ou legitimidade para contestar!

Ainda que beneficiando da sinergia do grupo, da ajuda do grupo, das contribuições do grupo, o trabalho do maçon é sempre individual e solitário! E também, inegavelmente, difícil. É todo um novo alfabeto que, mais do que aprender, o Aprendiz maçon está a criar e a aprender a criar!

TFA
Ir Daniel Martina CIM 285520 GOSP/GOB
Fundador da Filhos do Arquiteto Brasil





30 de outubro de 2018

Adaga Maçom Cruz de Malta - KM1560


Adaga Maçom Cruz de Malta - KM1560

Adaga/Espadim Tamanho aproximado: 55cm, Lâmina Aço inox,  Bainha: 40cm.  Excelente para cerimoniais,  eventos Ritualísticos e Decoração de Ambientes.  

Adquira sua Adaga em nosso portal:

Conheça nossos Anéis Medievais:

Pulseira Maçônica Bioenergia:

Divulguem nosso portal a todos Irmãos de nosso Universo Maçônico e  Medieval.  

TFA /SFU

27 de outubro de 2018

A Criação das Dimensões do Universo - #filhosdoarquiteto


O Universo é Dimensional,  assim sendo temos nossa evolução,  sempre respeitando os sinais e conhecimentos de nosso Universo.  

Estaremos apresentando as Onze Dimensões de nosso Universo e sua criação de forma simples e direta,  para que desta forma você entenda,  nosso grau de evolução.  

Siga nosso canal,  Compartilhe este conhecimento a todos.  


TFA 
Equipe Filhos do Arquiteto. '.

24 de outubro de 2018

Anel Maçom Livres e Iniciados FAAC378 - #filhosdoarquiteto



Anel Maçom Livres e Iniciados FAAC378

Bela joia maçônica confeccionada em Aço Inoxidável, Pintura em Resina duravel e artesanal. Disponivel em varias numerações e Pronta Entrega a Todos Irmãos do Brasil. 


Reserve este Lindo Anel em Aço em Nosso Portal: 


Reserve esta Joia em Prata 950 em nosso Portal: 


Compartilhe nossos Vídeos, Sigam nosso Canal no Youtube e Ativem as Notificações para receber nossos Lançamentos. 

Filhos do Arquiteto Brasil, uma empresa de Irmão a todos Irmãos do Brasil, Unidos somos mais Fortes.. 

TFA/PP

19 de setembro de 2018

O VISITANTE DESAFORADO:



“Quem bate esquece, quem apanha, lembra.” (Popular)
O desaforo enseja várias interpretações, mas a que ocorre de imediato é a imprudência na prática de um ato desrespeitoso, indelicado e que cause constrangimentos. E tal situação torna-se mais sutil quando o comportamento parte de um visitante ilustre que é acolhido com consideração e entusiasmo.
Não é incomum recebermos em nossas Lojas, Clubes de Serviços ou entidades vinculadas a trabalhos voluntários, convidados para trazer mensagens, apresentar uma palestra ou ministrar instruções que venham ampliar o conhecimento e promover debates tendentes a contribuir para revisão de modos de agir e incentivar o incremento de atividades.
O cenário tende a se alterar quando o procedimento desse convidado agride a cultura local e a conotação farisaica de sua mensagem se acentue e a abordagem dos temas ganhe contornos de críticas ácidas, com atitudes raivosas e uso de linguagem imprópria, em flagrante desrespeito a um legado construído com grandes sacrifícios e paixão por parte de valorosas pessoas (valorosas, sim!) que plantaram as sementes e dedicaram uma vida para manter de pé as colunas que sustentam a boa obra.
A crônica é repleta de narrativas envolvendo autoridades debutantes que se julgam os doutores da lei e se arvoram no conhecimento de todos os mistérios, de todas as ciências e na titularidade do dom da profecia, e desconhecem a famosa carta de Paulo aos Coríntios sobre o amor (1Cor, 13), evidenciando pouco brilho interior, quase nada acrescentam ou perdem uma rica oportunidade de guardar silêncio. Inevitável não vir logo à mente uma frase que foi destaque no final de 2007, em Santiago do Chile, durante a XVII Conferência Ibero-Americana: “¿Por qué no te callas?”.
Boa parte dos que carregam essas características julga-se acima do bem e do mal, como se certas regras comportamentais não dissessem respeito a eles e agem como os fariseus na disputa por posições de proeminência nas mesas principais, com posturas preconceituosas e linguajar destoante, pelo simples prazer em impressionar e de serem tratados pelos títulos, notados e admirados pelas conquistas, mormente em busca de holofotes, homenagens, distintivos e diplomas para exposição nas redes sociais. Olvidam que tudo isso passa e o caráter e o exemplo são para sempre.
É discurso comum que críticas e sugestões são bem-vindas e que as equipes estão abertas para rediscutir formalidades e reavaliar projetos e ações. Até aí tudo bem, há espaço para todos. Mas o que deve ser observada é mais a forma como a mensagem é entregue do que propriamente o seu conteúdo, que por melhor e mais verdadeira que possa se insinuar, venha a desaguar e fazer o bolo solar e não se mostrar apetitoso aos comensais.
Quando essa conduta vem de um ocupante de posição relevante na entidade, que se atribui conhecimento e autoridade para falar o que melhor lhe aprouver, somente por portar currículo lustroso, o ambiente fica nebuloso e o clima tenso. Muitos desses “eruditos” se admiram quando alguém “ousa” questioná-los para maior compreensão de determinado assunto, mesmo de maneira cortês e educada, e por isso estes desavisados manifestantes são por vezes qualificados como atrevidos e resistentes a mudanças.
Como fora profetizado em uma recente reunião por um desses distintos convidados desaforados, não muito jovem, dinâmico e sem travas na língua, considerando-se inoxidável e revestido de teflon, com ar triunfante, coração de granito e invocando o manto da franqueza: “que contribuição pode dar uma pessoa de 70 anos ao nosso movimento?”. Perplexos, os presentes com idade média de 65 anos entreolharam-se constrangidos. Os que já tinham ultrapassado essa marca esboçaram um sorriso amarelo. Ressalte-se apenas esse exemplo, para não delongarmos sobre outras barbaridades proferidas.
É evidente que cada indivíduo tem seus limites, sendo alguns mais aquinhoados com doses de extrema boa vontade, compreensão, maturidade e resistência para aceitar grosserias e ataques, relevando toda a sorte de impropérios, com capacidade imensa de resiliência e de perdão e a consciência de que no voluntariado “é importante ser comedido na crítica e generoso nos elogios: sempre construir e não destruir”. Estes, portanto, já apararam as arestas da pedra bruta da personalidade.
Outros por sua vez, para não dizer um ou dois em cada grupo, ainda em fase de lapidação, porém certos de que paciência tem limites e não se obrigando a suportar tudo com passividade apenas para demonstrar gentileza ou agradar a quem quer que seja, acreditando que toda ação produz uma reação, tomam as dores e partem em defesa do seu time de coração, no mais das vezes sem descurar das formalidades e das normas de etiqueta, para também não constranger o convidado por colocações indevidas. Mas, como sói acontecer, culpando as vítimas pelo ataque, os cascas grossas não se tocam nem se redimem e la nave va”.
Desnecessário aprofundarmos no detalhamento quanto aos quesitos relativos a cortesia e boas maneiras, exercício do tato e da habilidade nas relações interpessoais tão decantados pela  bibliografia disponível em milhares de livros e artigos de autoajuda. E se considerarmos a vigilância que deve ser mantida em nossos pensamentos e nas atitudes que possam criar situações e ambientes indesejáveis em nossa comunidade, no sentido de aprendermos a controlar sentimentos e impulsos, ainda é pouco se olharmos para os lados com olhos bem atentos e percebermos quem são os fariseus de hoje e como se multiplicam.
Por sua vez, não se pode descurar em qualquer planejamento, quando se imponha a necessidade de receber um convidado, que se avalie de antemão o conceito do mesmo e os tópicos a serem tratados, bem como eventuais providências preparatórias, sutilezas protocolares, objetivos e duração da apresentação, minimizando, assim, possíveis impactos que possam incentivar dissidências e baixas em nossas já desfalcadas fileiras de voluntários que amam servir ao próximo.
Enfim, quando a situação se impuser, vislumbra-se imprescindível saber lidar com a arrogância do poder ao exigirem-se processos transparentes em qualquer contexto em que dirigentes exerçam um mandato em nome de uma coletividade, e que tenham uma liturgia moral do cargo ou função a observar, ou se situem em patamar de “Notáveis”, de modo a não prevalecer um sentimento que possa gerar a sensação de que estão invisíveis e inacessíveis a qualquer forma de punição e não sejamos por derradeiro desafiados ou afrontados com a vetusta carteirada: “Você sabe com quem está falando?” ou a quase socrática: “Quem você pensa que é?” e o não menos conhecido enquadramento temporal: “Ainda não chegou sua hora de saber e/ou de se manifestar!“.
Quase todos podemos suportar a adversidade, mas se quereis provar o caráter de um homem, dai-lhe poder “(Abraham Lincoln)
Autor: Márcio dos Santos Gomes
Márcio é Mestre Instalado da ARLS Águia das Alterosas – 197 – GLMMG, Oriente de Belo Horizonte, membro da Escola Maçônica Mestre Antônio Augusto Alves D’Almeida, da Academia Mineira Maçônica de Letras, e para nossa alegria, também um colaborador do blog. Fonte: O ponto dentro do Circulo

5 de setembro de 2018

A ilusão da vida e a roda do samsara:


A ilusão da vida e a roda do samsara

O conceito de samsara, a eterna roda da vida e da morte como descrita pelos hinduístas e budistas chegou a nós, ocidentais com toda força na segunda metade do século 20.  Mas, a rigor, esse pensamento já havia estado entre nós quando foram difundidos os arcanos do Tarot, especialmente com a carta A Roda da Fortuna.  

A carta, no Tarot de Marselha, um dos mais conhecidos, mostra  uma roda onde giram três criaturas.  Duas estão juntas à roda e, quando uma sobe, a outra desce.  A terceira está numa plataforma e usa uma coroa e uma espada que, apesar disso, só demonstram “o fenômeno passageiro do domínio.”

O samsara, no orientalismo, é o fluxo incessante dos renascimentos através dos mundos.  Assume conotação negativa, como uma condição a ser superada. Relaciona-se, portanto, com a ideia de reencarnação.  Mas é necessário mesmo acreditar na reencarnação para analisar ou vivenciar a superação do samsara?

Não se pode separar a doutrina da reencarnação da lei do karma; isso é verdadeiro.  O budismo detalha os chamados elos de originação dependente, conhecidos como nidanas, que relacionam-se com as causas e efeitos, envolvendo desejos, consciência, hábitos e tendências. Para os hindus também essa ligação entre reencarnação e karma é fundamental.  Sendo o esquecimento das vidas explicada pelo fato de que a mente consciente se rege pelas tendências resultantes da memória e não pela própria memória.

Mas a ideia de evolucionismo, de que cada reencarnação próxima poderia ser melhor do que a anterior só foi incluída no pensamento espiritualista através da codificação da doutrina espírita de Allan Kardec no final do século XIX.  A concepção evolucionista não existia na Antiguidade oriental.

A roda do samsara equivale a uma seqüência infinita de causa e efeito, na qual somos o sonho de alguém enquanto sonhamos um  outro.  Não há um eu permanente, todos os “eus” são transitórios que subsistem e sobrevivem num outro eu, tão ilusório quanto o primeiro.  Alguém viu alguma semelhança com os enredos de filmes hollywodianos como A Origem ou Matrix?

Entendida como metáfora psicológica, a roda do samsara pode significar a seqüência de despertares de consciência que um indivíduo tem ao longo da vida.  Morrendo (deixando-se submergir na inconsciência) e renascendo (tendo consciência plena da sua vida). 

O psicanalista C. G. Jung em seu primeiro trabalho, tentou mostrar que “os espíritos” que uma médium incorporava eram diferentes facetas da personalidade da mesma e, assim, eram manifestações do inconsciente pessoal dela.  Não quero com isso, criar um conflito com o espiritismo nem com seus adeptos, muitos deles, meus amigos.  Apenas desejo chegar ao ponto de que não é preciso ser espírita (ou budista, ou jainista, ou hinduísta) para pôr em prática o conceito da roda de samsara. 
 Existe a possibilidade de que uma memória coletiva seja transmitida geneticamente, o que nos levaria a pensar e sentir como se a memória de outra pessoa fosse uma outra existência nossa no passado e, às vezes, até no futuro, como certas viagens astrais demonstram com experimentos xamânicos, por exemplo.

Longe de esgotar o assunto, pretendo, tão somente, trazê-lo de volta à baila para que possa ser amplamente discutido.  A roda do samsara, a ilusão da vida, das muitas vidas numa só vida pode e deve ser pesquisada e analisada nos diversos aspectos que compõe a nossa realidade.  Ou a ilusão de realidade.  Afinal, segundo Parmênides, podemos dizer que os pensamentos são coisas. E se isso é verdade, as coisas são pensamentos.  

A física no fundo é uma psicologia porque descreve uma realidade que é, antes de tudo, mental e psíquica. O experimentador fazendo parte do sistema experimental como na física quântica.  Resta viver a ilusão ou superá-la se formos capazes.  Paz e luz.

 (Mauricio Duarte)


TFA/SFU
Ir Daniel Martina Toupitzen.'.
(Ilustração e Pesquisa)


ADQUIRA SEU ANEL RODA DA FORTUNA 

1 de setembro de 2018

DECODIFICANDO A LEI DE THELEMA



THELEMA: Do grego θέλημα: Vontade, a partir do verbo θέλω: desejar, ter um propósito.
Liber AL vel Legis, o Livro da Lei .

Thelema é a filosofia ou religião – dependendo do ponto de vista – baseada nos dois preceitos fundamentais da chamada Lei de Thelema:”Faze o que tu queres será o todo da Lei.”[1] 

“Amor é a lei, amor sob vontade.” Estes foram apresentados ao mundo, desta forma, no Livro da Lei (Liber AL vel Legis), escrito por Aleister Crowley nos dias 8 a 10 de abril de 1904. Seus adeptos são chamados de “thelemitas”.

Crowley desenvolveu o sistema thelemico a partir de uma série de experiências metafísicas experimentadas por ele e sua então esposa, Rose Edith Kelly Crowley, no início de 1904. A partir dessas experiências ele argumentava ter sido contatado por uma inteligência não-corpórea denominada Aiwass (a quem identificou mais tarde como seu Sagrado Anjo Guardião), a qual ditou a ele, entre o meio-dia e as 13 horas dos dias 8, 9 e 10 de abril daquele ano, o Livro da Lei (Liber AL vel Legis).

O livro contém tanto a frase “Faze o que tu queres será o todo da Lei” quanto o termo θέλημα, o qual Crowley tomou como nome do sistema filosófico, místico e religioso que veio a se desenvolver a partir do texto daquele livro, considerado como sagrado pelos thelemitas. 

O sistema thelemico inclui uma série de referências de magia, ocultismo, misticismo e religião, tanto ocidentais quanto orientais, tais como a Cabala e a Yoga. Segundo Crowley, Thelema representaria um novo sistema ético e filosófico para a humanidade, caracterizando um Novo Eon (nova era).

É comum que a Lei de Thelema seja compreendida, à primeira leitura, como uma licença para que se executem todos os desejos e caprichos que uma pessoa tenha, sem que haja responsabilidade ou consequências por seus atos. Contudo, esta filosofia prega justamente o oposto, partindo da idéia de que cada ser humano, por possuir livre arbítrio, é inteiramente responsável por sua existência e por suas ações, sem ser absolvido ou culpado por nenhum Deus ou Diabo no que tange o destino de sua própria vida. 

A liberdade de todo Homem e toda Mulher é, portanto, cultuada, uma vez que, como consta no Liber AL, “todo homem e toda mulher é uma estrela”.

O resultado disso é um profundo respeito a si próprio, à cada indivíduo e à cada forma de vida, como sendo expressões particulares do Divino. Além disso, Thelema conclama cada um à descoberta e realização de sua Vontade (a inicial maiúscula sendo utilizada para diferenciar esta da vontade trivial, a expressão Verdadeira Vontade também sendo utilizada para tanto). 

Cada um de nós tem por obrigação descobrir e cumprir essa Verdadeira Vontade, deixando de lado todo capricho e distração que possa nos afastar deste objetivo máximo. 

Ao realizá-la, nos integramos perfeitamente à nossa Natureza, que reflete a ordem do Universo. Portanto, realizar a Verdadeira Vontade é despertar para a Vontade do Universo.

Em Thelema, considera-se a Divindade como algo imanente: isto é, que vive dentro de tudo. Logo, conhecer sua Vontade mais íntima também é conhecer a Vontade de Deus. Esse processo de descoberta da Vontade além dos desejos do Ego constitui um método de realização espiritual baseado principalmente no autoconhecimento.

TS.'. 🎩

AS DEZ CONSEQUÊNCIAS DA AMARRAÇÃO AMOROSA:



*CONSEQUÊNCIAS DA AMARRAÇÃO AMOROSA*

No momento em que você recorre a magia para forçar uma pessoa a ficar com você ou para trazer ela contra sua vontade, violando seu livre arbítrio; você estará fazendo uso da baixa magia e somente seres de baixa vibração fazem esse tipo de trabalho, somente eles agem contra o livre arbítrio e manipulam as pessoas.

*O que acontece na vida de quem faz amarração amorosa:*

*1.* Você também ficará amarrado a pessoa que tentou amarrar e não conseguirá refazer a sua vida pessoal.

*2.* Seus caminhos ficam trancados tanto no lado profissional como no amoroso e acontecem inúmeras perdas sem explicação. Você começa a ter muita má sorte porquê está vibrando negativo e passará a atrair tudo o que é negativo para a sua vida.

*3.* Doenças. É muito comum que a pessoa que faz amarração, devido ao uso da baixa magia, sinta mal estar físico, os sintomas mais comuns são: cansaço, falta de energia, peso nos ombros, dores de cabeça. A pessoa sente que suas energias estão sendo sugadas.

*4.* Ao solicitar uma amarração ou trabalhos para trazer uma pessoa, são feitas oferendas ou sacrifícios de animais usando o seu nome, e você forma um elo com a Entidade dando permissão a ela para que entre na sua vida, e como estas Entidades são de baixa vibração elas se alimentam da sua energia, retiram de você a energia positiva e deixam você carregado(a) de energias negativas.

*5.* Algumas pessoas ficam tão perturbadas, pois as energias usadas para fazer o trabalho de amarração agem na psique da pessoa de tal forma, que a pessoa chega ao ponto de ter desejos suicidas. Uma energia negativa não tem o poder para matar uma pessoa, mas tem o poder de manipular a psique dela e fazer com que a pessoa faça algo contra a sua vida.

*6.* As consequências da amarração podem afetar a vida de uma pessoa por muitos anos, enquanto ela não for desfeita seguirá agindo na vida de quem a fez e na vida de quem foi alvo.

"Uma relação nunca acaba sem razão, sempre há uma explicação, antes de procurar esse tipo de recurso avalie a sua relação reveja as coisas que aconteceram antes de ser precipitado(a) ao ponto de acreditar em tudo que dizem. Avalie as consequências de interferir no livre arbítrio alheio."

A amarração amorosa pode afastar do caminho da pessoa que a solicitou tudo que estava em seu destino, tenha cuidado com as escolhas que fará, todo sentimento pode ser superado, não faça nada por impulso.

Lembrando também que pode dar errado (você não conseguir o que pediu) e mesmo assim sofrer as consequências por ter lançado a ação.

Por: Jurema de Mello

17 de agosto de 2018

THELEMA - A Filosofia:



Thelema - A Filosofia:

A palavra Thelema (pronuncia-se Télema) tem origem grega e significa Vontade ou Intenção. Mas este termo é associado a uma doutrina registrada pela primeira vez na literatura no século XVI. No ano de 1532, François Rabelais cita em sua aventura épica Gargantua e Pantagruel, a fundação de uma abadia de Thelema. Segundo o autor, uma doutrina que se chocava com os ideais católicos da época.

A proposta do Thelema está baseada essencialmente na liberdade e individualidade humana; ou seja, o cultivo e satisfação plena das próprias vontades. Estas bases ficam evidentes nos principais conceitos que regem: "Faça o que tu queres, pois há de ser tudo da lei"; "Todo homem e toda mulher é uma estrela"; "Tu não tens o direito, se não fazer a tua vontade..." Para os adeptos, estes princípios sintetizam a doutrina.

No Thelema toda ação individual é válida, pois é necessária a evolução. Porém, é importante que cada indivíduo descubra-se interiormente pela própria espiritualidade e una-se ao seu Ego através do amor. Desta forma descubra a Vontade Verdadeira que existe em si, e que é a motivação real da existência. A busca e o exercício da Vontade Verdadeira é a ação que move o ser em direção a iluminação. Por ser única, esta Vontade não colide com a Vontade alheia. "O Amor é a Lei sob a Vontade..." Portanto, cada ser da criação é único e especial; possui vontades e necessidades únicas que devem ser supridas.

Por estar fixado em conceitos pessoais, o Thelema pode variar muito em sua interpretação entre os adeptos; já que a vontade individual é o principal mecanismo de busca da auto-satisfação. Por esse motivo não é considerado uma religião, já que não existe uma divindade central específica; pode abrigar vários tipos de crenças e funcionar como um complemento da religiosidade, de acordo com a vontade do indivíduo. Porém, em seu desenvolvimento ao longo dos anos, o Thelema tornou-se um sistema mágico com características próprias; agregando em si correntes como a Draconiana, Tifoniana e Ofidioniana. Também influenciou outros sistemas como a Magia Ritual, Magia Sexual e as Artes Divinatórias.

A doutrina foi citada por vários pensadores e estudiosos em inúmeras publicações no decorrer dos séculos. Mas se expandiu apenas por volta de 1938, quando o inglês Aleister Crowley publicou o Liber Al vel Legis.

Atualmente, o Thelema é visto com uma certa hostilidade por aqueles que o conhecem superficialmente. O nome de Crowley está muito associado a esta doutrina, e os mitos que cercaram sua vida prestam uma imagem negativa a esta doutrina. Além disso, a noção libertária dos conceitos thelêmicos pode transmitir um falso aspecto egoísta, onde valoriza-se exageradamente a própria vontade e menospreza-se o altruísmo. Na verdade "O Amor é a Lei sob a Vontade", e"Todo homem e toda mulher é uma estrela..." Aqui fica evidente que o Amor se sobrepõe aos outros valores, e a individualidade humana é divinizada, respeitada por que cada um é uma estrela.

(Spectrum Gothic)

TS.'. 🎩